• Tecnologia
  • Equipamento eletrico
  • Outros
  • indústria de materiais
  • Política de Privacidade
  • Sobre nós
  • Entre em contato conosco
Localização: Casa / Tecnologia / O que é o software de saúde nível 2 e como podemos usá-lo para obter o máximo de vantagem?

O que é o software de saúde nível 2 e como podemos usá-lo para obter o máximo de vantagem?

serv |
539

Na área da saúde, muitos pacientes estão passando por uma variedade de fluxos de trabalho clínicos. Suas informações estão sendo criadas ou coletadas a cada hora de cada dia, e muitos profissionais precisam considerar dados de várias fontes no momento para cumprir as responsabilidades diárias. O software suporta essas facetas do cuidado de diferentes maneiras.

Mais e mais executivos de saúde referem-se ao software de fluxo de trabalho – como registros médicos eletrônicos (EMRs) e seus muitos módulos, pessoal e outros sistemas, bem como software em máquinas de diagnóstico – como “Nível 1”. Esta categoria atende a fluxos de trabalho específicos e organiza as informações dentro deles. O que é conhecido como software de “Nível 2” se baseia nisso, conectando os pontos entre silos para atender a casos de uso que só são possíveis dentro desse contexto completo. Simplificando, o software Nível 1 é vertical, enquanto o Nível 2 é horizontal.

Definindo termos

Antes de podermos entender o software Nível 2, temos que entender melhor o Nível 1. Seu objetivo é apoiar os processos de atendimento, como receber e processar amostras de laboratório, agendar pacientes na sala de cirurgia e registrar pacientes que chegaram ao pronto-socorro — e, em seguida, registrando suas ordens, resultados, terapias, progresso e assim por diante.

Nos hospitais, existem dezenas e dezenas de fluxos de trabalho que existiam antes de existirem quaisquer sistemas eletrônicos de informação (“workflow” sendo outra forma de dizer “process of care”). Com o tempo, o software substituiu o papel, primeiro em sistemas de fluxo de trabalho único, como entrada computadorizada de pedidos médicos (CPOE) ou sistemas de informações de laboratório (LIS), juntamente com mais duas dúzias, que eventualmente se combinaram em EMRs. Todos eles se enquadram na categoria de software de Nível 1, porque lidam com fluxos de trabalho especializados específicos (pense nisso como uma chaminé que carrega apenas certas informações sobre um processo de atendimento). Essas tecnologias essenciais mantêm as informações organizadas e organizadas em seu contexto, e esse primeiro nível de organização é vital para o atendimento eficiente moderno, mas tem a desvantagem de criar ilhas de dados que não se combinam facilmente em um determinado momento.

Relacionado: Softwares que todos os seus funcionários precisam ao trabalhar para uma startup de assistência médica

As instalações de atendimento precisam de mais do que apenas software de nível 1

O problema começa quando um algoritmo de decisão ou priorização requer informações imediatas de vários softwares de fluxo de trabalho de Nível 1. O progresso de uma amostra de laboratório de um paciente se encaixa perfeitamente em um cano de fogão, por exemplo, mas e se precisarmos saber que um paciente com uma provável alta esta manhã está indo para uma unidade de enfermagem especializada (SNF) e seus resultados de laboratório estarão de volta no próximos 45 minutos? Para gerenciar isso, precisaríamos de dados de quatro chaminés, e é aí que reside a limitação dos sistemas de Nível 1. Para esse caso de uso e milhares de outros, é necessário um novo tipo de software — um que conecte esses pontos fora do sistema de fluxo de trabalho em tempo real. Somente com essas informações combinadas organizadas constantemente (o que é mais fácil falar do que fazer) podemos construir algoritmos de otimização horizontal em tempo real.

O software Level 2 faz coisas novas com dados, como priorização, sincronização, identificação de riscos e localização de pacientes para gerenciar para qualquer número de cuidadores especializados. Isso é particularmente útil para atividades como planejamento de alta, que se beneficia do uso de dados de farmácia, laboratório, fisioterapia, terapia ocupacional, cirurgia e fluxograma de maneiras avançadas.

O nível 2 também ajuda no gerenciamento de riscos. Para derivar que pode haver um risco com um paciente, você precisa conectar dados de vários tubos de fogão, como resultados de laboratório, medicamentos e todo o histórico de saúde do paciente. Orquestrar o balé diário entre todas as disciplinas de cuidados agudos só pode acontecer usando o software Level 2, e o benefício final para os pacientes é um atendimento mais rápido, diagnósticos mais rápidos e maior conformidade com protocolos, o que leva a melhores resultados.

Relacionado: Quando os cuidadores de última geração encontram novas tecnologias

Obtendo dados de chaminés

Com o software Level 2, é um desafio obter informações das chaminés e manter modelos de dados integrados e horizontais em tempo real. Embora essa seja uma tarefa complicada, não é impossível — já foi feita e mais empresas estão trabalhando nela o tempo todo. Para os usuários, a diferença entre atividades em chaminés e atividades em chaminés deve ser perfeita: as informações devem corresponder e ser de fácil acesso.

As melhores maneiras de implementar o software Nível 2

Para usar o software Nível 2, você deve primeiro formar uma equipe multifuncional com forte representação na linha de frente para avaliá-lo. Isso é importante porque a limitação do software Nível 1 nem sempre é óbvia para quem não o conhece bem. Um relatório gerado uma vez por dia pode parecer útil para um executivo sênior, mas para uma enfermeira responsável, informações com mais de alguns minutos se tornam inúteis rapidamente. Assim, os verdadeiros operadores que entendem o contexto da informação e conhecem as verdadeiras realidades operacionais do dia-a-dia devem ser as vozes mais altas na avaliação.

Relacionado: O Uso da Inteligência Artificial na Saúde Acelerou Durante a Pandemia. Está aqui para ficar.

O software, em última análise, ajuda a liberar tempo

É importante ressaltar que o primeiro benefício do software Level 2 é economizar o tempo dos cuidadores, que é precioso. Tome rodadas multidisciplinares como exemplo. Embora assumam muitas formas, um componente-chave é revisar o status holístico de cada paciente com toda a equipe rapidamente, talvez em menos de 45 segundos por paciente. Essa coordenação só é possível com informações entre silos em tempo real.

Para ilustrar o ponto, considere um cenário em que um paciente está indo para uma unidade de enfermagem especializada, mas essa unidade em particular requer uma nota de fisioterapia escrita nas últimas 24 horas para garantir que seja uma boa opção. Determinar se tal nota existe pode levar um minuto no EMR. Essa única pergunta atrapalha o processo.

O software é essencial para agilizar os fluxos de trabalho diários

Este é um exemplo (entre milhares) de como a tecnologia Level 2 permite que as equipes vejam a situação, percebam os riscos e tomem as próximas etapas imediatamente, em vez de procurar em vários lugares e esperar. Em um campo onde os segundos são tão valiosos, isso é essencial para melhorar os fluxos de trabalho, ajudar os pacientes e facilitar a vida dos cuidadores.