• Tecnologia
  • Equipamento eletrico
  • Outros
  • indústria de materiais
  • Política de Privacidade
  • Sobre nós
  • Entre em contato conosco
Localização: Casa / Tecnologia / Adotando novas tecnologias com os vencedores do Heritage in Motion 2021: DigVentures

Adotando novas tecnologias com os vencedores do Heritage in Motion 2021: DigVentures

serv |
446

No outono de 2021, a Europeana orgulha-se de fazer parte do júri internacional dos prémios anuais e prestigiados Heritage in Motion, organizados pela Europa Nostra e pela European Museum Academy. O setor do patrimônio cultural está usando novas tecnologias digitais em seus projetos inspiradores.

Hoje, Lisa Westcott Wilkins, Diretora Administrativa da DigVentures, uma plataforma que permite a participação cívica em projetos de arqueologia e patrimônio, nos fala sobre 'Arqueologia em Casa', vencedora da categoria 'Website'.

Você pode nos contar um pouco sobre seu projeto vencedor?

Arqueologia em Casa foi a nossa resposta ao COVID. O público da DigVenture inclui muitos não-arqueólogos, profissionais de todas as esferas da vida. Nosso curso on-line, 'Como fazer Arqueologia' é muito popular, então pensamos, agora que todos estão em casa, vamos executá-lo como uma escola de campo virtual - um dig-along. Mais de 8.000 pessoas em 91 países se inscreveram, incluindo grupos de estudantes universitários cujos trabalhos de campo foram cancelados.

Também iniciamos um grupo de estudos no Facebook e vimos que as pessoas foram além de conversar sobre o curso para também falar sobre a loucura da pandemia. Em última análise, o curso reuniu pessoas que compartilhavam interesses em arqueologia, mas também lhes deu uma plataforma para outro tipo de experiência compartilhada, ajudando uns aos outros durante a devastação da pandemia. Isso realmente nos surpreendeu.

Para a segunda parte do projeto, dinamizamos nosso festiv

al DigNation presencial online. Pedimos aos palestrantes que se filmassem basicamente nos dizendo onde deveriam estar naquele verão para que pudéssemos manter suas pesquisas diante dos olhos de todos. Ao longo de dois dias, acabamos com 3.000 pessoas e 500 comentários e perguntas para os apresentadores. Tínhamos 32 equipes de arqueólogos de 26 países enviando vídeos sobre seus trabalhos.

O que o uso de mídia/tecnologia digital possibilitou para este projeto?

Estar online quebrou muitas das barreiras usuais à participação e diversificou o público. O digital se tornou um grande nivelador e nos deu uma dispersão geográfica muito maior, além do envolvimento de pessoas de todas as esferas da vida. Todos estavam em casa, não apenas pessoas com filhos ou empregos de meio período; cada nível educacional, cada tipo de experiência profissional e de vida foi representada. Isso realmente abriu as portas. Há uma perspectiva elitista reconhecida no mundo da arqueologia de que o 'público' não se importa ou quer se envolver na arqueologia, mas aqui tivemos evidências diretas e muito fortes de que esse não é o caso. Se houver oportunidades, nosso projeto mostra que há um público esperando para participar.

Também nos permitiu criar uma comunidade de prática com nossos colegas que nunca haviam falado fora da academia sobre seu trabalho. Houve trabalhos dentro do festival que nunca teriam alcançado um público geral se não fossem online. Continuamos a jogar com esse modelo.