• Tecnologia
  • Equipamento eletrico
  • Outros
  • indústria de materiais
  • Política de Privacidade
  • Sobre nós
  • Entre em contato conosco
Localização: Casa / Tecnologia / A França multa o Google, o Facebook regista 210 milhões de euros sobre o rastreamento da actividade on-line

A França multa o Google, o Facebook regista 210 milhões de euros sobre o rastreamento da actividade on-line

serv |
189
Advertising

Os gigantes da tecnologia norte-americana, incluindo a Apple e a Amazónia, estão sujeitos a uma pressão crescente sobre as suas práticas [negócios] em toda a Europa, onde têm enfrentado multas e planos maciços para impor muito - chegar às regras da UE sobre a forma como funcionam.

A multa de 150 milhões de euros imposta ao Google foi um recorde da Comissão Nacional Francesa para a Tecnologia da Informação e a Liberdade (CNIL), batendo um biscoito anterior - multa relacionada de 100 milhões de euros contra a empresa em dezembro de 2020.

O Facebook recebeu uma multa de 60 milhões de euros.

"A CNIL determinou que os sites facebook.com, google.fr e (Google - propriedade) Youtube.com não permitem que os usuários recusem o uso de cookies como simplesmente aceitá-los", disse o organismo regulador.

As duas plataformas têm três meses para adaptar suas práticas, após o que a França imporá multas de 100.000 euros por dia, a CNIL acrescentou.

France fines Google, Facebook record €210 million over tracking online activity

O Google disse à AFP que mudaria suas práticas após a decisão. "De acordo com as expectativas dos usuários da internet... estamos empenhados em implementar novas mudanças, bem como em trabalhar ativamente com a CNIL em resposta à sua decisão", disse a empresa norte-americana em uma declaração.

Cookies são pequenos pacotes de dados que são configurados no computador de um usuário quando visitam um site, permitindo que navegadores web salvem informações sobre sua sessão.

Eles são altamente valiosos para o Google e Facebook como formas de personalizar a publicidade - - sua principal fonte de receita.

Mas os defensores da privacidade há muito que recuam. Desde que a União Europeia aprovou uma lei de 2018 sobre dados pessoais, as empresas da Internet enfrentam regras mais rigorosas que as obrigam a procurar o consentimento directo dos utilizadores antes de instalarem cookies nos seus computadores.

90 ANÚNCIOS EMITIDOS

A CNIL argumentou que o Google, Facebook e YouTube fazem com que seja muito fácil consentir em cookies através de um único botão, enquanto rejeitar o pedido requer vários cliques.

Tinha dado às empresas da internet até abril de 2021 para se adaptarem às regras de privacidade mais rigorosas, advertindo que elas iriam começar a enfrentar sanções após essa data.

O jornal francês Le Figaro foi o primeiro a ser sancionado, recebendo uma multa de 50.000 euros em julho por permitir que cookies fossem instalados por parceiros publicitários sem a aprovação direta dos usuários, ou mesmo depois de eles terem rejeitado.

A CNIL afirmou recentemente que tinha enviado 90 notificações formais para os sítios Web desde Abril.

Em 2020, infligiu multas de 100 milhões e 35 milhões de euros, respectivamente, ao Google e à Amazon pelo uso de biscoitos.

As coimas baseavam-se numa lei da UE anterior, o Regulamento Geral sobre Protecção de Dados, argumentando a CNIL que as empresas não tinham fornecido aos utilizadores informações "suficientemente claras" sobre os cookies.

( AFP ) ( AFP )

Newsletter diárioReceive Notícias internacionais essenciais todas as manhãs

Subscribe

Leva as notícias internacionais contigo para todo o lado! Download the France 24 app