• Tecnologia
  • Equipamento eletrico
  • Outros
  • indústria de materiais
  • Política de Privacidade
  • Sobre nós
  • Entre em contato conosco
Localização: Casa / Tecnologia / A Pensando Systems recebe quase US $ 35 milhões em novos financiamentos ...

A Pensando Systems recebe quase US $ 35 milhões em novos financiamentos ...

serv |
436

A startup Pensando Systems de computação de ponta trouxe um financiamento adicional totalizando quase US $ 35 milhões, a startup disse exclusivamente ao CRN.

Prem Jain, CEO da Pensando, disse à CRN que os novos dólares vieram de três investidores: Ericsson Ventures, Qualcomm Ventures e Liberty Global Ventures, braço de investimento global da gigante holandesa de telecomunicações Liberty Global.

“Alguns investidores ficaram muito entusiasmados com a vinda, e também pensamos que seria uma grande oportunidade de economizar algum dinheiro de investimento para o futuro”, disse Jain sobre o novo financiamento.

O financiamento mais recente da Pensando foi levantado em novembro em uma rodada da Série C. O financiamento mais recente, que também faz parte da Série C da empresa, eleva o total arrecadado para US $ 312,95 milhões, disse a empresa com sede em San Jose, Califórnia, à CRN.

[Relacionado:

Soni Jiandani: Por que a plataforma Edge da Pensando supera o sistema Nitro da AWS

]

A Ericsson e a Qualcomm, dois concorrentes fortes no mercado 5G, estão particularmente entusiasmados com o software da Pensando, especialmente com a transição do mercado de TI das caixas. A Pensando trabalhará com grandes provedores de serviços para ajudá-los a fazer a mudança para soluções baseadas em contêineres que podem oferecer a escala e o desempenho que essas empresas exigem, disse Jain.

Hoje, a Pensando chega ao mercado com seu sistema baseado em um processador programável customizado otimizado para computação de ponta. A solução está capacitando nuvem definida por software, computação, rede, armazenamento e serviços de segurança para transformar arquiteturas existentes em ambientes seguros e rápidos que estão sendo exigidos por aplicativos de próxima geração.

A empresa agora tem 274 funcionários, de acordo com o LinkedIn.

A upstart, que conta com o ex-CEO da Cisco John Chambers como um de seus fundadores e atual presidente, foi fundada em 2017 e

saiu do modo furtivo em 2019 com planos de assumir o Amazon Web Services

ao capacitar empresas e provedores de nuvem rivais para superar o líder dominante em nuvem pública.

Apesar dos problemas da cadeia de suprimentos, a demanda por todas as coisas em nuvem impulsionou a empresa, que atendeu às expectativas de receita em 2020. E a receita em 2021 vai "exceder em muito" os números de 2020, disse Jain.

“Do ponto de vista do desenvolvimento, bem como do ponto de vista do negócio, o negócio parece muito, muito positivo”, disse ele.

Grande parte da estratégia da empresa é a parceria. A Pensando conta com HPE, Dell e VMware como seus parceiros de sistema, e ServiceNow e Splunk como seus parceiros de integração, para citar alguns. A empresa tem vários clientes da Fortune 500 que entrarão em produção este ano, de acordo com Jain.

“Vamos nos adaptar continuamente”, disse ele. “Não seremos capazes de fazer tudo sozinhos. Estamos muito focados no que podemos fazer de melhor e, em seguida, nos associamos a outras empresas para ver como podemos aproveitar as vantagens de algumas das novas tecnologias do mercado e trazê-las aos nossos clientes ”.

No momento, Jain e sua empresa estão totalmente focados em colocar seus clientes em nuvem em produção. Depois disso, trata-se de encontrar novas áreas de oportunidades com os parceiros HPE e Dell, bem como promover sua engenharia e desenvolvimento de software.

O conselho consultivo da Pensando inclui executivos da Aruba Networks, Equinix e HPE. A Pensando está em busca de mais parceiros de nuvem para se juntar, disse Jain.

Ao lado de Jain, a Pensando foi fundada por uma equipe de ex-executivos da Cisco, incluindo Mario Mazzola, Luca Cafiero e Soni Jiandani.

Em 2019, a empresa anunciou que havia assinado contratos com a Oracle, rival da nuvem da AWS, a Goldman Sachs - que também já foi investidora - e a NetApp.