• Tecnologia
  • Equipamento eletrico
  • Outros
  • indústria de materiais
  • Política de Privacidade
  • Sobre nós
  • Entre em contato conosco
Localização: Casa / Tecnologia / A internet está enganando nossos cérebros

A internet está enganando nossos cérebros

serv |
507

De vez em quando, Adrian Ward gosta de se testar contra o mecanismo de busca mais usado da internet.

"Há momentos em que tenho o impulso de pesquisar algo no Google, mas não tenho", disse Ward, que estuda psicologia como professor assistente de marketing na Universidade do Texas em Austin.

“Porque”, disse ele, “quero ver se consigo arrastar isso da memória.”

É um desafio familiar para qualquer pessoa com um smartphone no bolso que não consegue lembrar o ano em que um álbum favorito foi lançado ou o nome de um ator em um filme antigo. Tirar o telefone? Ou quebrar o cérebro?

Mas essa escolha é mais do que uma maneira de testar nossa lembrança de trivialidades. As pessoas que se apoiam em um mecanismo de busca como o Google podem obter as respostas certas, mas também podem acabar com uma ideia errada de quão forte é sua própria memória, de acordo com um estudo publicado por Ward em agosto. Isso ocorre porque a pesquisa on-line é tão perfeita e sempre disponível que as pessoas geralmente não têm a chance de experimentar sua própria falha em lembrar das coisas, descobriu o estudo.

As descobertas fazem parte de uma onda de novas pesquisas nos últimos anos examinando a interseção da internet e da memória humana. As implicações podem ser de longo alcance, inclusive para a disseminação de desinformação política, disse Ward. Ele citou anos de pesquisa sobre como as pessoas tomam decisões, mostrando que as pessoas que confiam demais em seu conhecimento se tornam mais arraigadas em suas opiniões sobre política e ciência e também podem tomar decisões financeiras e médicas questionáveis.

“O efeito maior é que as pessoas pensam: 'Sou inteligente. Eu sou responsável por isso. Eu vim com essa informação'”, disse Ward em uma entrevista.

Um grupo de cientistas cognitivos, psicólogos e outros pesquisadores estão tentando entender o que significa lembrar quando as memórias foram moldadas pela tecnologia, às vezes de muitas maneiras diferentes. Isso equivale a repensar como a memória funcionará com cada nova iteração de dispositivos digitais – borrando a linha entre a mente e a internet em algo que um dia pode ser considerado um “Intermind”, disse Ward.

A indústria de tecnologia está trabalhando para desfocar ainda mais a linha. Empresas como Apple e Facebook estão explorando óculos e fones de ouvido para tornar mais fácil para alguém sempre ter um computador na frente de seu rosto, enquanto a empresa de Elon Musk, Neuralink, pretende lançar implantes cerebrais em humanos depois de testá-los em macacos.

As consequências potencialmente de longo alcance ainda não são conhecidas, mas a pesquisa está dando pistas sobre o que significa confiar tanto na internet para lembrar.

Um estudo de 2019 descobriu que a memória espacial usada para navegar pelo mundo tende a ser pior para pessoas que fizeram uso extensivo de aplicativos de mapas e dispositivos GPS. Vários estudos examinaram como a memória pode ser alterada pelo ato de postar nas mídias sociais, às vezes melhorando a lembrança e outras vezes induzindo ao esquecimento.

Na pesquisa de Ward, publicada em outubro na revista Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States, ele usou uma série de oito experimentos para testar como as pessoas usavam e pensavam sobre seu próprio conhecimento enquanto completavam pequenos questionários de conhecimento geral. Alguns participantes tiveram acesso ao Google enquanto respondiam às perguntas – “Qual é o idioma mais falado no mundo?” era um - enquanto outros não. Eles também completaram pesquisas.

Ele descobriu que as pessoas que usavam o Google eram mais confiantes em sua própria capacidade de pensar e lembrar, e previram erroneamente que saberiam significativamente mais em testes fut

uros sem a ajuda da internet.

Ward atribuiu isso ao design do Google: simples e fácil, menos como uma biblioteca e mais como uma “prótese neural” que simula uma busca em um cérebro humano.

“A velocidade faz com que você nunca entenda o que não sabe”, disse Ward.

As descobertas ecoam e se baseiam em pesquisas anteriores, incluindo um artigo amplamente citado de 2011 sobre o “efeito Google”: um fenômeno no qual as pessoas são menos propensas a lembrar de informações se souberem que podem encontrá-las mais tarde na Internet.

Os pesquisadores não estão sugerindo que as pessoas abandonem os aplicativos – uma recomendação que seria inútil, de qualquer maneira. E não está claro até que ponto o Google ou outras empresas estão acompanhando as pesquisas mais recentes ou se fariam alguma alteração em seus produtos como resultado. Em comunicado nesta semana, o Google disse que sua missão era organizar as informações do mundo e torná-las acessíveis. “Isso ajuda as pessoas com uma série de coisas em suas vidas cotidianas”, disse a empresa.

Durante séculos, filósofos e cientistas debateram maneiras de definir a memória humana. Para muitos estudiosos modernos, não é tão simples quanto o que uma pessoa pode lembrar em um determinado momento.

“O público leigo e até os cientistas computacionais profissionais têm o hábito de pensar nas mentes como se estivessem dentro de cérebros individuais”, disse Steven Sloman, professor de ciências cognitivas, linguísticas e psicológicas da Brown University.

Mas, na realidade, “usamos muito mais do que nossos próprios cérebros para pensar e lembrar”.

Para ajudar na memória, os humanos sempre contaram com a família, amigos e outras pessoas, bem como recursos externos, como material escrito, disse Sloman, coautor do livro “The Knowledge Illusion: Why We Never Think Alone”. Ele disse que é melhor pensar na memória e no conhecimento em termos de comunidade, não de indivíduos.

“A internet me parece uma extensão do que fazemos há milênios, que é usar o mundo, e agora está em formato eletrônico”, disse Sloman.

Às vezes, isso equivale ao que os cientistas cognitivos chamam de “descarregamento”: dar uma folga ao cérebro armazenando informações em outro lugar. Manter números de telefone no celular ou no papel é um exemplo clássico.

Mas a internet não está apenas armazenando informações. Ele está fornecendo informações quase instantaneamente a qualquer momento, sem fazer perguntas em troca e geralmente sem falhas. E está fornecendo maneiras de moldar memórias.

Em uma revisão de estudos recentes na área, publicada em setembro, pesquisadores da Duke University descobriram que a “externalização” de memórias em esferas digitais “muda o que as pessoas prestam atenção e lembram sobre suas próprias experiências”. A mídia digital é nova e diferente, eles escreveram, por causa de fatores como a facilidade com que as imagens são editadas ou o grande número de memórias ao alcance das pessoas.

Cada pista fotográfica significa outra chance de uma memória ser “atualizada”, talvez com uma falsa impressão, e cada manipulação de um conteúdo de mídia social é uma chance de distorção, escreveram as pesquisadoras, a doutoranda Emmaline Drew Eliseev e Elizabeth Marsh, professor de psicologia e neurociência e diretor de um laboratório dedicado ao estudo da memória.

“Essas e outras questões são sobre memória – mas surgem por causa de um contexto social que não poderia ter sido previsto há duas décadas”, escreveram.